Dia da Mulher é todo dia

Levantei pronta pra mais um dia, pronta para realizar todas as minhas tarefas no trabalho e voltar pra casa. Uma sexta-feira como outra qualquer. Não me atentei muito que hoje seria o Dia Internacional da Mulher.

Como de costume, lá estava eu na fila do ônibus batendo papo às oito da manhã com qualquer pessoa que seja tão tagarela quanto eu. E o mais legal que aconteceu, é que por ironia do destino, ou porque eu provavelmente precisaria de inspiração pra escrever essa crônica, dessa vez quem puxou conversa comigo foi uma mulher mais velha que eu, e o assunto: Alguns infortúnios femininos.

Mulher é assim: tem mania te trocar experiências, contar o que aconteceu ou acontece com ela, ouvir o que se passa com a outra, se identificar e trocar conselhos e receitinhas caseiras que ajudam aliviar, sejam os sintomas de uma TPM ou aquela unha que encravou porque o bico do sapato era fino.

Essa moça que eu não me lembro o nome, aliás, na real acho que nem chegamos a nos apresentar, não deu tempo, a conversa se tornou tão intensa que era quase impossível mudar o foco do assunto, se tornou íntima em apenas alguns minutos.

Ela começou a me contar que estava chegando à menopausa. É isso mesmo, você não leu errado, o assunto com uma mulher que eu nunca vi na vida começou exatamente assim. E eu já fui logo completando, contando da minha TPM da semana passada, como eu chorava porque estava de TPM e chorava mais ainda porque me achava ridícula por chorar por tudo, só porque eu estava naquela situação.

Daí, começamos a rir e a fase das receitas e conselhos começou. Ela como já tinha passado por essa etapa, me ensinou como aliviar cólicas e desconfortos menstruais e eu ensinei a ela o que eu vi a vovó e algumas tias fazendo para aliviar os sintomas da menopausa.

O ônibus chegou e cortou nosso assunto, então nos despedimos e internamente eu desejei com todas as minhas forças que o dia dela fosse incrível, que o trabalho fluísse e que pelo menos hoje, não surgisse nada que  fosse causar ainda mais incômodo.

Senti uma empatia muito grande por ela, primeiro porque ela era muito simpática, segundo porque aquela era uma situação que eu provavelmente vou passar e terceiro porque tinha uma guerreira na minha frente, que embora aparentasse estar cansada, não tinha nenhum vestígio de desanimo, muito pelo contrário, mesmo já tendo passado pelas várias fases dos infortúnios femininos causados pelos nossos borbulhantes hormônios, lá estava ela, pronta pra mais um dia de luta, assim como várias outras mulheres da minha vida, inclusive a minha mãe. 

Segui minha viagem sozinha e pensativa. Comecei a refletir sobre a conversa de minutos atrás e cheguei à conclusão que somos o espelho uma da outra.

Veja bem, a maioria das coisas que sabemos sobre o nosso corpo e como lidar com isso, foi outra mulher que nos ensinou. Quando nos deparamos com um problema feminino, outra mulher que nos ajuda. Quando precisamos entender os nossos sentimentos, muitas vezes buscamos ajuda analisando a experiência vivida por outras mulheres. Até para vir ao mundo, precisamos ser carregadas no ventre de outra mulher.

Com 26 anos, sou nitidamente a construção ou a soma de várias outras mulheres, sejam elas mães, avós, tias, madrinhas, primas, amigas ou até mesmo uma desconhecida que eu troquei experiências na fila do ônibus. Somos unidas por natureza, e é assim que tem ser.

Somos uma em todas e todas em uma. Quando mata, agride, maltrata, desrespeita, estupra ou violenta uma, somos todas vítimas. 

Quando mulheres no século passado foram reprimidas por se unir para lutar pelos seus direitos, foi em prol de todas nós. Quando cerca de 130 mulheres morreram carbonizadas dentro de uma fábrica têxtil em Nova York, também foi por todas nós. Quando uma mulher é morta a cada duas horas no nosso país, também estão matando todas nós. Tentando nos enfraquecer e cessar com as nossas lutas.

O Dia Internacional da Mulher marca nossa luta, que é diária e está longe do fim, mas se nos mantivermos unidas, colheremos as nossas glórias.

Sejamos uma das outras. Sejamos fortes. Sejamos a força que a outra precisa para caminhar e superar os obstáculos que nos são impostos, afinal hoje marca o nosso dia de luta, mas o dia da mulher é todo dia.

Veja mais crônicas: 

Sonho de menina apaixonada 

A impossibilidade do abraço

Mercado Negro

Você também pode participar do LiteralMente, UAI. Envie suas ideias, crônicas ou contos para contato@literalmenteuai.com.br

Deixe o seu comentário

comentários

One Reply to “Dia da Mulher é todo dia”

  1. Mais uma vez me emocionou com seu texto….
    Parabéns pelo seu dia e por esse texto maravilhoso q concerteza contribuiu pra alegrar meu dia e me dar mais esperança. Bjim

Deixe seu comentário