O escaravelho do diabo | Lúcia Machado de Almeida

O escaravelho do diabo é um dos clássicos mais aclamados da Coleção Vaga-Lume. E se você ainda não leu, por favor, prestigie essa obra e as diversas da coleção, que marcaram positivamente milhares de leitores Brasil afora.

A Coleção Vaga-Lume já vendeu mais de 8 milhões de livros. Mais de 90 obras fazem parte da coleção, lançada entre o entre o final de 1972 e o início de 1973. Ao todo 41 escritores tiveram suas obras publicadas na Vaga-lume.

A propósito, confira as resenhas de obras que fazem parte da Coleção.

Deu a louca no tempo

A árvore que dava dinheiro

Uma marca da coleção Vaga-lume é não se ater a apenas um gênero literário. Ao se deliciar com as obras, você vai se deparar com livros curtinhos, fáceis de ler e que te prendem do início ao fim. É exatamente o que acontece em “O escaravelho do diabo”.

Um mistério ronda a pequena cidade de Vista Alegre, no interior de São Paulo, quando peculiares e misteriosos assassinatos de pessoas ruivas começam a ocorrer. Em comum entre eles é o recebimento de besouros via Correios, pouco antes da morte, que aliás tem a ver com o nome em latim da espécie.

Quem liga os pontos do mistério “morte x besouro” é Alberto, irmão da primeira vítima, Hugo, encontrado morto com uma enorme espada espanhola fincada ao coração. Inconformado com a morte do irmão, Alberto se junta a equipe do inspetor Pimentel na caçada ao assassino.

Eles concentram seus esforços na pensão da irlandesa Cora O’ Shea, que abriga personagens peculiares de várias partes do mundo, incluindo ela própria, seu filho e funcionários. Todos são suspeitos e vítimas. A propósito das vítimas, até mesmo um animal está entre elas.   

As mortes são distintas, e a causa é rapidamente revelada. Os diálogos são proveitosos e a leitura flui rapidamente.

Alberto é um estudante de medicina que sonha em ser cardiologista. Após da morte do irmão, ele tenta conciliar sua vida com as investigações do crime. Ele quer a todo custo evitar que pessoas inocentes sejam mortas, mesmo que para isso coloque a própria vida em risco.

Alberto se apaixona pela mais jovem moradora da pensão da senhora O’Shea, Verônica. E a relação entre eles é marcada pela desconfiança e suspeitas constantes.

Enquanto tentam salvar a vida dos ruivos da cidade e proteger a si mesmos, precisam lidar com uma ameaça que transita entre o sobrenatural ao mais assassino cruel a sangue frio.

O escaravelho do diabo é um thriller de suspense, sem qualquer apelação ou exagero. Inclusive, ao terminar a leitura ficamos com aquela sensação que poderia ter mais umas 100 páginas. As cenas se desenvolvem rapidamente, em meio ao anseio pela descoberta do assassino e sobretudo a motivação.  

A linguagem é simples e bem direta ao propósito da coleção, que é agradar aos jovens leitores. E consegue com primor.

A propósito da edição, li a de 2015, que brilha no escuro. Achei sensacional! As letras são grandes e o livro pequenininho cabe na mão.

O escaravelho do diabo prova que quase 50 anos depois do lançamento, a coleção continua atual e encantadora. Cabe a nós leitores incentivar aos mais jovens a leitura da Vaga-lume e nunca deixá-la cair no esquecimento.

Esse clássico da literatura nacional está disponível na Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais.

O Filme:

O escaravelho do diabo foi o primeiro livro da Coleção Vaga-Lume a ganhar uma adaptação. Mesmo com boas e aclamadas histórias, o pontapé no cinema só foi dado mais de 40 anos após o lançamento.

Veja o trailler: 

A principal diferença entre o livro e o filme é entre os personagens principais. Apesar de ser um livro voltado para o público infanto-juvenil, o Alberto do livro é um adulto, prestes a se formar em medicina, enquanto o do filme tem pouco mais de 12 anos.

Fotos: Aline Arruda / Dezenove

No livro fez mais sentido a parceria do Alberto com o delegado Pimentel, uma vez que o moço faz residência no hospital tem acesso a laudos e cadáveres. Psicologicamente o adulto Alberto tem mais estrutura para lidar com as mortes e inclusive lidar com a iminência da sua própria, já que sua vida corre risco ao se envolver com a investigação. 

Mesmo com personagens infantis, o tom da adaptação é mais sombrio, chegando até dar uns sustinhos nos desavisados, com flashes macabros de cemitérios, sombras que emergem a espreita de uma vítima, figuras assombrosas. Mas o que assusta mesmo são os sussurros do assassino justificando cada morte com frases bíblicas ou proféticas, durante a preparação dos besouros para envio às vítimas, inclusive crianças. Essa combinação assassinatos macabros e crianças, descaracterizou a história.

Na adaptação alguns personagens importantes do livro foram suprimidos, como o núcleo da pensão O’ Shea. Foram inseridos conflitos de relacionamento entre Alberto e sua mãe e os entre os irmãos que não fizeram muito sentido na trama. Além do questionamento das habilidades do delegado Pimentel.

Fotos: Aline Arruda / Dezenove

A adaptação se baseou apenas na essência da história, pessoas ruivas são mortas por um assassino misterioso, que envia um besouro para anunciar a tragédia e a espécie que determina a maneira que a pessoa será morta. 

Fotos: Aline Arruda / Dezenove

A adaptação lançada em 2016 trouxe nos papeis principais os atores mirins: Thiago Rosseti como Alberto Maltese; Bruna Cavalieri como Raquel; Marcos Caruso como Delegado Rubens Pimentel; Jonas Bloch como Padre Paulo Alfonso e um vasto elenco de ruivos e destaques do cinema nacional. 

A primeira adaptação da série Coleção Vaga-lume ficou muito aquém do clássico. Leia o livro primeiro e vejam o filme pelo entretenimento. A título de comparação, sairemos decepcionados.

Livros ou suas adaptações? É sempre polêmico, né? Veja outros comparativos aqui  

Deixe o seu comentário

comentários

9 Replies to “O escaravelho do diabo | Lúcia Machado de Almeida”

  1. Menina! Não sabia que tinha filme! A Coleção foi meu auge de leitura na pré-adolescência. Eu amei cada livro que li e quero reler vários deles. Acho maravilhoso terem criado esta coleção que é muito queridinha e cheia de boas histórias. Dá até saudade daqueles tempos em que eu pegava vários livros na biblioteca e chegava em casa e lia até dormir.

  2. Tanto o filme como o livro são maravilhosos. Li o livro e fiquei encantada com o thriller juvenil dele, acho que a escritora soube medir bem a história e o suspense e tudo que acontece com os ruivos! Apesar a adaptação apenas ter a essência da obra, acho o filme muito bom.

  3. Olá!
    Eu ainda não assisti o filme e quando realizei a leitura foi na época daqueles livros extraclasse para realizar prova na escola então foi bem legal relembrar a dinâmica desse suspense.
    Vou tentar assistir em breve.

  4. Aaaaahhhh, eu amo esse livro com todas as minhas forças! Li ele ainda menina, e foi umas das obras nacionais que fizeram eu me apaixonar pelo gênero de suspense e mistério policial, junto com João Carlos Marinho. Amo os personagens, a cidadezinha do interior e tantos lugares e situações familiares a quem, como eu cresceu em cidades assim. Alberto nos deixa tão próximos da narrativa, que é maravilhoso acompanhar seus passos para descobrir esse assassino terrível. Vi a adaptação logo que saiu, e mesmo com algumas diferenças dela a partir do livro, ainda gostei muito e fiquei satisfeita por ver um sonho de menina, o livro virar filme, se realizar!

    Bjoxx ~ Aline ~ http://www.stalker-literaria.com

  5. Oi.
    Já ouvi muito sobre este livro, mas ele nunca me chamou a atenção. Antes ele não era o meu tipo preferido de leitura, mas como agora estou começando a rever um pouco o meu gosto e conhecendo coisas novas, acho que vou acabar dando uma chance a essa história.

    Beijos,
    Blog Livros Engavetados

  6. Oi!
    Já tinha ouvido falar dessa coleção Vaga-lume, mas foi pouco divulgado. Fiquei curiosa em saber mais da trama, pois o suspense e o mistério me interessa, fico vidrada quando leio kkk, o que me chamou a atenção é na pouca divulgação ou talvez pode ser na minha falta de interesse, mas já vou avisando leio muito nacional eu acho que nossos autores merecem a credibilidade que os estrangeiros tem. Parabéns pela resenha, estou empolgada em ler essa história, obrigado pela dica, bjs!

  7. Olá, eu me arrependo muito de não ter lido esse livro na época em que estudava e podia pegá-lo na escola, o título me dava medo, rsrs, mas li muitos outros da coleção. Acho a história super interessante e gostei de ver essas comparações com a adaptação, pena que ela não foi muito fiel à história original.

Deixe seu comentário