Aos 11 anos, muito precocemente, Lavínia Rocha lançou seu primeiro livro, “Um amor em Barcelona”. O romance é sutil e delicado, envolve o leitor numa história cercada por conflitos e incertezas da adolescência. Hoje, sete anos depois do lançamento, Lavínia ainda admira seu primeiro título e afirma que não mudaria nada na história. “Vejo coisas de mim aos 11 anos. Se eu fosse escrever ‘Um amor em Barcelona’ hoje, não sairia da mesma maneira, mas se publiquei assim, eu quero assim”, destaca.

Lendo “Um amor em Barcelona”, da escritora Lavínia Rocha, voltei uns 10 anos na vida. Os devaneios chegaram aos meus 14 anos (idade das personagens Isabela e Briana). Me lembrei dos amores da adolescência (que, no meu caso, eram efêmeros), da espera pelo príncipe (que nem precisava ser encantado e nem acompanhado por cavalo branco) e daquela vontade de encontrar alguém que me fizesse sentir especial. Só para deixar claro, nada disso se concretizou, mas não estamos aqui para falar dos meus amores aos 14. O objetivo é falar dos amores de Isabela e de Briana e de como um encontro, uma armação do destino, mudou a vida das meninas.

Capa de “Um amor em Barcelona”

Já no começo do livro, Isabela é obrigada a viajar para Barcelona junto com sua prima Briana, ambas vão à cidade para visitar os pais. Isabela (nem um pouco empolgada com a viagem) e Briana (super empolgada com a viagem). Os primeiros momentos em Barcelona são bem chatos e, assim que chega à cidade, Isabela já quer voltar para o Brasil. As coisas na Europa só se tornam interessantes quando Bernardo e Eduardo cruzam o caminho das meninas e o amor, é a primeira vista. O problema agora é convencer um pai ciumento a deixar esse romance ter um final feliz.

Capa 1º edição do “Amor em Barcelona”

Uma história delicada, sutil e apaixonante é apresentada ao leitor. Um amor de adolescência, inocente e verdadeiro, vai se desenrolando ao longo do livro. Barcelona se torna então, palco da descoberta do primeiro amor para as duas personagens. 

“Um amor em Barcelona” é o primeiro título lançado por Lavínia Rocha, que escreveu o romance aos 13 anos. Talvez, a proximidade das idades da autora e das personagens tenha dado a história um tom mais natural e real. Uma adolescente escrevendo sobre adolescência e construindo personagens adolescentes. O livro é uma delícia de ler e, apesar de ter um conteúdo voltado para o público infanto-juvenil, vale a leitura para qualquer idade. Quem já passou por essa fase sabe como é: as inseguranças, os dilemas e os amores. Lavínia reúne tudo isso num romance super fofinho.

Lavínia Rocha é nossa escritora de outubro. Se você tiver alguma história legal sobre a escritora manda pra cá contato@literalmenteuai.com.br

Tem muito mais da Lavínia aqui

Deixe o seu comentário

comentários

Deixe seu comentário