Livros para chorar

Uma super seleção de 10 livros para chorar sim! Refletir e transformar vidas!!

O livro e a sua capacidade de despertar inúmeros sentimentos e mudar vidas, também emocionam e levam às lágrimas até mesmo aquele coração mais gelado.

Um leitor eclético sabe que cada leitura tem seu momento certo de aprender, se divertir, se indignar, e até mesmo chorar. Sim! Este tipo de leitura faz bem e às vezes até precisamos deles para lavar a alma e curar mágoas.

Essa possibilidade de se emocionar com histórias, em sua maioria fictícias, demonstram uma capacidade enorme de se envolver a fundo com elas e de se colocar lugar dos personagens. O que nada mais é que desenvolver aquela empatia básica de que necessitamos diariamente.

Considerando as várias possibilidades de sensações e sentimentos que a leitura provoca, listamos 10 livros para chorar e muito.

Meu pé de laranja lima | José Mauro de Vasconcelos: O livro do escritor brasileiro, José Mauro de Vasconcelos, não apenas arranca inúmeras e infinitas lágrimas, como te faz ficar com o coração apertado a cada virada de página.

A história do menino Zezé é repleta de momentos emocionantes. A sua condição de extrema pobreza, a violência diária e a amizade verdadeira vão tocar seu coração. Leia a resenha completa aqui.

Correndo descalça | Amy Harmon: A escritora Amy Harmon tem uma capacidade impressionante de fazer emocionar com histórias bem escritas, envolventes e muito inteligentes, pois insere várias referências comuns a nós. Qualquer um dos seus três livros são para chorar e refletir muito.

A história da jovem Josie Jensen, por exemplo, é de partir o coração. É uma história de amor ao próximo, amor próprio, amizade, empatia, sonhos perdidos, recomeços e sobretudo superação. Nas várias reviravoltas da história, a gente torce pela Josie, além de sofrer junto com ela. Veja a resenha completa aqui:

Dançando sobre cacos de vidro | Ka Hancock: É uma história de amor, que vai arrancar lágrimas de tristeza e de felicidade, e que no final te fará repensar as escolhas que tem feito em sua vida e como ser uma pessoa melhor.

Dançar sobre cacos de vidro é a metáfora perfeita para a história de Lucy e Mickey, um amor completamente improvável, mas que aos poucos foi sendo construindo em uma relação de amor, amizade e confiança. Mickey tem transtorno bipolar e a leitura é uma ótima dica para quem precisa entender mais sobre a doença, como ela se manifesta e como afeta as relações sociais. Já Lucy vive com a iminência da morte batendo à sua porta.

É um amor tocante, que passará por prova crucial de vida e de resistência. O livro escrito pela enfermeira Ka Hancock é extremamente triste e profundamente inspirador.  

Por lugares incríveis | Jennifer Niven: Conta a história de amizade entre dois jovens com tendências suicidas. É uma temática pesada porque se percebe o quão triste pode ser a vida de alguém que desiste de viver. E quando se está dentro da história junto com o personagem, enxergando seu sofrimento, seu lamento, sem poder fazer nada, é agoniante. São dois jovens perdidos, com famílias ausentes e problemáticas, que simplesmente não percebem o que ocorre na mesa do jantar.

O destino une a popular Violet Markey  e o “esquisitão” Theodore Finch no telhado da escola onde pretendem pular e acabar com suas vidas. Os dois se ajudam e acabam fazendo um trabalho de escola juntos, onde precisarão visitar lugares turísticos de sua cidade. Dessa proximidade surgirá uma linda história de amor e amizade, que correrá sérios riscos com a iminência da morte sempre à espreita.

O suicídio é um tema pesado, cruel e difícil de digerir. Contudo, essa história vem para mostrar o quanto precisamos ficar atentos e sempre alertas ao que acontece ao nosso redor, com nossos amigos e familiares. Por lugares incríveis é uma ficção que muda vidas. Veja a resenha completa no site

Um amor para recordar | Nicholas Sparks: Numa lista de choro não poderia faltar o mestre da sofrência, Nicholas Sparks. Qualquer uma de suas obras tem ali uma pitada de sofrimento que vai arrancar alguma lágrima. Um amor para recordar arrancará mais que duas lágrimas, seja o livro, seja o filme, uma vez que ambas obras se complementam.

É uma história de amor, redenção, recomeço e fé. Landon é um típico adolescente americano, popular, cheio de amigos, que sempre viram Jamie Sullivan como a esquisitona filha do pastor. Jamie é uma menina fofinha, de fé, sempre bem humorada e inteligente. Jamie tem leucemia em estágio terminal.

Quando os dois começam a conviver mais, Jamie faz um único pedido a Landon, para que não se apaixone por ela, o que obviamente acontecerá. Jamie quer ver um milagre antes de morrer e a redenção de Landon é o seu presente. É um livro pra chorar, para refletir e para se apaixonar.

Garotas de vidro | Laurie Halse Anderson: A temática deste livro é bem interessante e vale muito a leitura, por apresentar aos jovens o que se passa no mundo de uma pessoa que tem transtornos alimentares. É chocante! Os artifícios e as artimanhas que duas garotas usam para enganar os pais e amigos de que estão bem, quando na verdade estão disputando para saber quem será a garota mais magra da escola.

Para vencer essa disputa, Lia e Cassie nos apresentam seu mundo irresponsável, inconsequente, imprudente e todos os adjetivos possíveis que podemos atribuir a alguém que propositalmente destrói seu corpo. Cassie morre (não é spoiller) e o motivo da sua morte, e a sobrevivência com o que restou de Lia, é angustiante e triste.

É uma história melancólica, arrastada, triste e extremamente real. Lidar com qualquer transtorno é difícil e devastador. O livro é um alerta e também uma mensagem para prestarmos mais atenção em quem está à nossa volta.

Como eu era antes de você | Jojo Moyes: É uma narrativa despretensiosa, mas que te pega de jeito por toda ternura da história, e pelo desfecho que é triste demais.

Como eu era antes de você conta a história da jovem Louisa “Lou” Clark que precisa se desdobrar para ajudar a família em casa. Desempregada, Lou se vê obrigada a cuidar do milionário Will Traynor, um jovem que, após sofrer um acidente, ficou tetraplégico, e seu maior desejo é fazer eutanásia.

O carisma e a paixão da Lou pela vida aquecem o coração de Will, mas será que a ponto de fazê-lo querer viver? Leiam!! A história foi inspirada em um acontecimento real, o que nos faz chorar ainda mais.

A Cidade do Sol | Khaled Hosseini: Se você reconheceu o nome do autor, imediatamente já o associou ao best-seller “O caçador de pipas”, que é extremamente triste. Porém, meus amigos, vocês não conhecem A Cidade do Sol.

O destino de Mariah (33 anos) e Lailah (14 anos) se cruza em um casamento, onde uma delas não pode ter filho, por isso o marido tem o direito de conseguir outra esposa. Elas convivem na mesma casa, portanto, as angústias, sofrimentos e violências são compartilhados sem nenhum pudor.

São mulheres do Oriente Médio totalmente expostas a uma cultura machista e opressora. Mulheres fortes e persistentes, que constroem uma relação de amor e afeto, com tanta dedicação e carinho que é lindo demais de ver, apesar de todo sofrimento da trama. É um livro triste, sofrido de ler, revoltante, principalmente por ser tão próximo a realidade.

Zezinho, o dono da porquinha preta | Jair Vitório: O clássico da Coleção Vaga-Lume, escrito pelo mineiro Jair Vitório, conta a história de amizade entre a porquinha Maninha e o menino Zezinho.

Com um pai violento e intransigente, Zezinho lutará com as forças que tem para não deixar o pai acabar com essa amizade, até mesmo fugir de casa levando, obviamente, sua amiga.

É um livro infanto-juvenil que traz uma grande carga de drama, desde o ambiente duro em que vive Zezinho, e sua coragem de passar por cima de tudo para enfrentar o pai, ao desfecho emocionante de redenção e perdão.

Capitães de Areia | Jorge Amado: Crianças e adolescentes abandonados e moradores de rua formam o grupo nomeado pela imprensa como Capitães de Areia, que vive um armazém abandonado em uma praia de Salvador. Cada membro se destaca por uma qualidade específica que acaba beneficiando o grupo na prática de crimes.

Em meio a mortes, doenças e violência, o choro do leitor é inevitável, uma vez que Jorge Amado retrata o contexto dessa realidade de viver na rua, o que os levou a viver assim, o presente com os seus anseios, incertezas e angústias, em meio à pobreza extrema e falta de perspectiva. Os meninos se cuidam e se protegem como se fossem uma família, instituição a que foram privados.

É um romance de ficção com uma pegada de denúncia social, que escancara uma realidade triste e dura. A propósito, o livro chegou a ser censurado e queimado em praça pública durante o governo Getúlio Vargas.  

Todas as dicas anteriores são leituras para entretenimento, mas o livro Todo dia a mesma noite  é acima de qualquer coisa, para conhecimento e memória.

Todo dia a mesma noite | Daniela Arbex: Histórias reais já tendem a nos emocionar com a simples leitura da frase “baseado em fatos reais”, e quando a base dos fatos é algo que ocorreu aqui e trata-se de uma das piores tragédias humanas do país, é impossível não chorar.

Este livro não é para qualquer um, já fica o alerta. É um livro difícil de ler, triste demais, e absurdamente indignante ver tantas vidas inocentes ceifadas na tragédia da Boate Kiss, em Santa Maria. Famílias completamente destruídas, profissionais de saúde devastados, pura e simplesmente pela irresponsabilidade de empresários e autoridades brasileiras. Confira a resenha completa aqui

Agora é a sua vez. Diz aí qual já te fez chorar!

Veja ainda:

15 livros nacionais para ler antes de morrer

25 adaptações literárias para 2019

Mais de 500 mil livros à sua disposição

6 Motivos para conhecer a Casa dos Quadrinhos

Deixe o seu comentário

comentários

Deixe seu comentário