A jornada

É muito engraçado quando nos damos conta de que nossas vidas é uma jornada a ser caminhada e apreciada, um longo caminho a ser percorrido. Da mesma forma que percorremos as ruas, estradas e avenidas no nosso dia a dia.

A diferença principal entre essas estradas está nas regras de como segui-las. Se tirarmos as placas, as leis de trânsito e faixas de pedestre, por exemplo, ficaria uma bagunça danada, não acha?

Na estrada da vida, por exemplo, temos que lidar o tempo todo com um fluxo imenso de informações, pensamentos e paradigmas. Seja no coletivo ou seja no individual. O  que nos move no sentido de nossos objetivos? O que nos faz seguir nessa jornada e nessa estrada todos os dias? Eu tenho algo a dizer, eu me atrevo a dizer que o que nos move é o amor.

Ah sim, o amor, seja dando ou recebendo, antigo ou novo, na memória do travesseiro ou no sorriso admirado, o amor nos energiza e nos impulsiona. Ele nos faz observar que não estamos sozinhos e que construímos cada
pedaço desse caminho todos os dias.

Pensando nessa semelhança, eu consigo ver que no lugar do concreto liso das estradas vem os sorrisos. Que em suas curvas sinuosas, cheias de buracos estão as lágrimas, a dor, e por que não as lágrimas? É na cautela da dor que nos fazem evoluir e termos mais certeza para onde queremos ir.

Depois das curvas é possível observar a natureza, aquele verde em forma de montanhas, aquele cheiro que invade o pulmão e te faz sentir vivo, pulsando. Em seu lugar eu vejo a família, aquele conforto que nos abraça e nos invade da cabeça aos pés.

Nos lugares das interações cotidianas como trabalho, um encontro de amigos ou uma simples ida ao cinema eu vejo as placas de trânsito, o barulho da buzina, uma música que te trás a mais bela das memórias em um engarrafamento pesado na segunda feira.

Em todas as estradas existem regras, mas é importante olhar para o seu próprio caminho, entre o certo e o errado está o que acreditamos, não existem placas e obstáculos que possa nos fazer parar de prosseguir.

A certeza que temos é que nós construímos cada detalhe do nosso caminho com amor. A jornada é longa, mas ela é
sua, é tão bom cuidar daquilo que é nosso, e apreciar paisagens e obstáculos que aparecem em diversos momentos.

Não se preocupe com o tempo, cada um tem o seu, preocupe-se somente com o caminho. Uma coisa em comum em ambas as estradas é o que deixa tudo mais claro para mim. 

É uma frase muito comum nas saídas das cidades e que sempre me abre um imenso
sorriso: Tenha uma boa viagem!

 

O texto é uma cortesia do escritor Alks Moreira. Agradecemos sua confiança! Se você também tem um texto especial, uma crônica, conto ou poema, envie para nós no e-mail: contato@literalmenteuai.com.br. Esse espaço é dos leitores. 

Veja outras contribuições clicando aqui.

Deixe o seu comentário

comentários

3 Replies to “A jornada”

Deixe seu comentário