Meu mundo invertido

Por: Felipe Andrade

Houve um tempo em que não havia preocupações ou regras. Houve um tempo em que a única preocupação era fazer a lição de casa ou se ia conseguir chegar a tempo de ver “Dragon Ball”. Houve um tempo em que eu não ligava para o tempo. Pois esse tão irrelevante tempo é traiçoeiro. Ele nos passa uma rasteira e quando assustamos, já era. E isso aconteceu comigo, deixei o tempo passar e deixei também de fazer muitas coisas na minha vida. Eu nasci em uma cidade pequena, do interior de Minas Gerais. Cidade pacata, onde todos se conhecem e sabem de tudo. Confesso, desde pequeno eu sonhava grande, como ficar rico, ter um carro, casa, essas coisas…Mas pensava também que para conquistar isso, não poderia ser ali, naquela cidade minúscula e sem oportunidades. Então eu fui crescendo e o pensamento não mudava, assim como o de muitos amigos meus.

Mas, finalmente, chegou esse dia. Meus pais se mudaram e me levaram junto, para cidade grande. Eu deixei tudo para trás, sim. E fui sem medo. Até então, vivi altos e baixos. Foram muitas vitórias, conseguia tudo que almejava. Mas, nesse último ano, as coisas não tem sido bem assim. As vitórias não apareceram, mas eu me deixei levar. É como se eu estivesse preso a algo que não desata. Não consigo ir nem para frente, nem para trás.

Ah, esse 2017 que não acaba mais.  Muitas coisas aconteceram e se não fosse a família e amigos, eu não ia segurar a barra. E isso me faz pensar como era bom a infância. Será que aproveitei o bastante? Por que passou tão depressa?  Vejo pessoas mais jovens que eu reclamando da vida e acho isso hilário. Daria tudo para voltar atrás e curtir um pouco mais meus avós, minha infância humilde, a vizinhança, as broncas por motivos bestas. E pensar em tudo isso, me faz sentir uma paz de espírito imensa. Parece que viajo as vezes para esse “mundo invertido”. Mas sempre tenho que atravessar esse portal e voltar para a realidade e enfrentar as dificuldades.  Ainda vou encontrar uma maneira boa de se viver melhor, dentro deste mundo de verdade. Espero que em 2018 eu possa compartilhar essas boas emoções com todos vocês.

Se assim como o Felipe, você também tem algum  texto e deseja compartilhar, nos envie.

A coluna “Antes dos 30″possui outros textos. Acesse: https://www.literalmenteuai.com.br/colunas/antes-dos-30/

A coluna Antes dos 30 é publicada aqui, quinzenalmente, aos sábados. As opiniões e fatos não refletem, necessariamente, a opinião de todas as pessoas que estão perto de completar 30 anos.
Entre em contato com a colunista pelo e-mail: afia@literalmenteuai.com.br

Fonte da imagem: http://4ever3.com.br/wp-content/uploads/2017/04/4ever3mundo1.jpg

Anúncios

Deixe o seu comentário

comentários

Deixe seu comentário