Terrível  “Acidente”

 

Por volta dos 22 anos

Foi quando aconteceu

Eu estava dirigindo

Meu amado veículo

 

Quando passou

Um maluco incontrolável

Tive que desviar

Quando percebi

 

Perdi o controle

E o carro foi com tudo

Pra cima da mureta

Eu estava sem cinto

 

Durante o impacto

Fui jogado a frente

De um vidro que

se estilhaçou

 

Via o destino

Que me aguardava

Meus olhos

Se esbugalharam

 

Minha boca se abriu

Em um grito de medo

O momento

Parecia não acabar

 

O inevitável aconteceu

Me choquei contra o vidro

Não o atravessei

E nos instantes seguintes

 

Não senti nada…

E num esforço imenso

Para olhar meu próprio machcorpo…

O mesmo se encontrava

 

Num estado deplorável

Coberto por sangue

Cheio de hematomas

E de repente

 

Quando me dei conta

Eu gritava

E a dor crescia

Não havia fuga daquela agonia

 

Tentei me mexer

Mas fazia meu corpo arder

Só conseguia gritar

Em meio às lágrimas

 

Eu ouvi o barulho

De uma sirene

E perdi

A consciência

 

Acordei já no hospital

E comecei a imaginar

No que aquele

Maluco estaria a pensar?

 

Teria ele uma desculpa

Para não parar e me auxiliar

Ou estaria rindo sem parar?

Talvez não saiba a vida valorizar

 

Tudo não passa de especulação

De uma ação sem perdões

Não podemos ignorar

Alguém a própria sorte

 

Gostou dessa poesia? Clique aqui e se inspire, reflita e viaje pela imaginação que poucas palavras são capazes de trazer…

O sonho 

O por que da interrogação?!

Deixe o seu comentário

comentários

Deixe seu comentário