Monstros Carnívoros

 

Olho para os lados

E o que vejo

São altos prédios

E muita poluição

 

Em outras palavras

Vejo meu antigo lar;

Nossas liberdades

Que foram tiradas

 

Por monstros cruéis

Que todos os dias

Cometem atrocidades

Com meus parentes

 

Alguns de nós

São trancafiados

Para serem observados,

Outros são jogados

 

Em máquinas

Que os destroem

Sem perdão

Sem remorso

 

E aqueles como eu

São dopados e levados

Ao cansaço para

Produzir ao máximo

 

Me questiono

Qual a diferença

Entre monstros e máquinas?

Apesar de diferentes

 

São iguais…

Já estou nessa realidade

Há muitos anos

E continuo vivo

 

Mas é só maneira de falar

Tudo que me resta

E esperar para

Um pedaço de carne virar

 

Gostou dessa poesia? Clique aqui e se inspire, reflita e viaje pela imaginação que poucas palavras são capazes de trazer…

 

Deixe o seu comentário

comentários

Deixe seu comentário