A leitura de Flor de Gume, da escritora paraense Monique Malcher, é uma daquelas experiências surpreendentes e singulares. É um livro que destaca a força das mulheres do Norte (em comum com tantas outras), em várias gerações, forjadas pela realidade árdua da violência física e mental, da pobreza, do preconceito, da angústia, e infortúnios a que somos submetidas diariamente. 

Por conter tanto da realidade e abundância de detalhes, desde já aviso que há cenas que podem despertar gatilhos.

Flor de Gume é um livro com alma, em que a força poética da escrita extrapola as páginas literárias, despertando múltiplos sentimentos, desde revolta, apreciação e veneração pelo talento da autora de apresentar fatos pesados, como se estivesse em uma conversa íntima com o leitor. 

É como se nos desse permissão para que pudéssemos adentrar em seu passado, desmembrar suas memórias, conhecer suas dores e cicatrizes mais profundas, crescer um passo de cada vez, aprender com suas aflições e aliviar-se com sua busca pela libertação.

Uma crítica justa é deixar o livro falar por si mesmo. Por isso, selecionei cinco trechos que mostram o impacto e o poder dessa leitura, em especial da literatura feminina nacional. 

“Era uma constante luta da minha mãe para que meu pai não tivesse sempre o controle de tudo, principalmente de mim, mas ele já tinha”. (pág.44)

“Meu corpo conhecia todo tipo de dor com objetos diferentes. Sandália, livro, prato, folha, galho, cadeira, controle de TV e quase sempre chute com soco”. (pág.45)

“Estou exausta de me sentir louca, de ficar paranóica de que sou muito importante e desmerecida ao mesmo tempo. O pior de tudo é que eu não tenho ego que encaixe com tal comportamento. Sou insatisfeita com a minha existência, mas ao repetir que me sinto bem comigo mesma, fui acreditando nesta farsa e às vezes confundo. Será que esse negócio de me amar é mesmo uma coisa que sinto?”. (pág.69)

“Não é exclusividade das casas serem assombradas, mulheres são também. Isso conheço bem”. (pág.79)

“Sinto muito que só agora sinta que viver é uma boa maneira de me vingar do vazio”.(pág.102)

Flor de Gume é mais uma agradável surpresa do grupo de leitura Leia Mulheres BH. A obra é uma publicação da editora Pólen no selo FERINA. 

Leia escritas nacionais, se permita conhecer as realidades que esse país chamado Brasil tem pra te oferecer.

Vem ler outras notícias do universo literário, filmes e séries. Clique aqui!

Deixe o seu comentário

comentários

Deixe seu comentário