Midsommar – O mal não espera a noite 

Midsommar – O mal não espera a noite foge do tradicional dos filmes de terror, dando uma pequena e rara amostra de como o horror pode sim aterrorizar também durante o dia! Sim!! Temos aqui um filme de terror diurno.

Confira o trailer: 

Ari Aster se tornou uma promessa do terror já em seu primeiro filme: Hereditário (2018), criando uma atmosfera de curiosidade sobre suas próximas produções. Expectativas nem sempre são boas, certo? Mas, no caso de Aster, elas são correspondidas à altura por seu segundo filme: Midsommar – O mal não espera a noite (2019).

Algo é recorrente nos dois longa metragem (começando a delinear características de estilo do diretor): o choque. Ambas as produções tem uma cena especialmente chocante que divide o filme – depois que ela acontece, nada mais pode ser como era. No caso de Midsommar esse momento é o gatilho para a confirmação de que, realmente, existe algo muito errado com o festival de verão que os personagens foram conhecer.

A sinopse é a seguinte: Dani (Florence Pugh), fragilizada pelo luto, viaja com o namorado Christian (Jack Reynor) e seus amigos. O destino é  um vilarejo na Suécia, com objetivo de conhecer o festival de verão local. Nenhum deles, porém, está preparado para os ritos com que vão se deparar. 

Divulgação

O filme se inicia com a abertura de um painel que é uma representação gráfica de um festival de verão. A imagem se abre como se abrem cortinas num espetáculo teatral, chamando atenção para o começo da história.

O que vemos a partir daí é o oposto do painel: neve e frio. Tudo é  cinza. Uma paisagem desolada. Seria essa paisagem uma representação da vida de Dani? A personagem principal. Talvez.

 Divulgação

É apenas nesse início que temos contato com a noite e a escuridão. O que também é uma façanha de Ari: criar um filme de terror à luz do dia. O que o diretor faz com ajuda da trilha sonora, da fotografia, e dos efeitos especiais que transformam a natureza em tela viva, é lindo e assustador. Entorpecente. 

Midsommar convida quem assiste a delirar junto com os personagens. 

O festival é uma espécie de delírio coletivo, uma espiral de loucura,  que vai tragando tudo. Não resta nada da falta de cor do inicio, nada é cinza. É um mundo berrante e colorido. Afinal, vermelho também é cor, não é?

Midsommar – O mal não espera a noite estreia nos cinemas de todo o Brasil em 19 de setembro.

Vem ler outras notícias do universo literário, filmes e séries. Clique aqui!

Deixe o seu comentário

comentários

Deixe seu comentário