Copa do Mundo: Um amor de mãe para filho

Hoje é o primeiro jogo da seleção brasileira na Copa do Mundo de 2018, e claro, que eu e Maria já estamos com blusa do Brasil mandando energia positiva aos jogadores. A Maria ainda não sabe o que é Copa e nem futebol, mas já é inspirada a gritar Brasil, achar a camisa linda e até gosta dos álbuns de figurinhas.

Acervo pessoal

Pode ser que quando ela crescer não vai gostar da Copa e nem de futebol,  mas aí será uma decisão dela, pois por enquanto, eu como fiel torcedora e amante do mundial, vou ensinar para ela como é gostoso o clima, o verde e amarelo cobrindo a cidade (que já não é tanto como na minha época de criança), a reunião de amigos e família para assistir aos jogos, a alegria despertada a cada gol, a ansiedade de uma disputa de pênalti e a emoção de vencer uma Copa!

Não vou esquecer de ensinar também sobre como é perder, como é angustiante ver o sonho do mundial indo embora diante de um inesquecível 7×1 em 2014, ou da final contra a França em 1998, quando seu ídolo (Ronaldo) “amarelar” ou ter uma convulsão como foi divulgado na mídia, e seu país perder. Mas, vou mostrar como esses momentos nos fazem mais fortes e nos ensinam desde cedo o que é apoiar alguém mesmo nos momentos tristes.

Ela vai aprender que futebol é superação. É perder e ganhar. Mas que o mais importante é competir!  

Vou mostrar que não esquecemos os problemas do Brasil durante a Copa, mas aproveitamos esse momento para festejar e nos divertir. E que gostar do evento não tem nenhuma relação com apoiar a política do país. Assim como torcer pelo Brasil não significa que você apóia as atitudes de todos os jogadores, mas dentro de campo ele representa o seu país, então vamos torcer pra que ele seja bom!

Ela vai perceber que na Copa não existe jogador separado por time, é hora de pensar no coletivo e sermos todos Brasil!

Eu quero que ela sinta a mesma emoção que eu sempre senti em torcer ao lado da minha família. Nunca vou esquecer da Copa do Japão, na qual levantávamos às 5h para assistir ao jogo com um café da manhã caprichado preparado pelo meu pai.

A Copa une as pessoas e por meio dela podemos tirar vários aprendizados para a vida!

Aprendemos ao ver a angústia e concentração no rosto de cada jogador antes de uma cobrança de pênalti, e na atitude de um técnico que passa de jogador em jogador antes da cobrança dizendo que eles são capazes, como o grande Zagallo fez na semifinal da Copa de 1998 contra a Holanda.

Aprendemos ao ver um craque como o Cafú levantar a taça e declarar seu amor pela esposa. E aprendemos vendo o  David Luiz chorar depois de ser eliminado, dizendo que só queria trazer mais alegria ao seu povo.

Imagem: Internet

A Copa me traz lembranças maravilhosas, me emociona e me ensina! E eu quero que a Maria cresça sentindo a mesma emoção que eu sempre senti e que também colecione boas lembranças desses momentos, por isso, nessa que é a primeira dela, vamos festejar muito!

Eu sou brasileira, não desisto nunca! Por isso digo: Rumo ao Hexa Brasil! 🇧🇷 E se não der certo valeu a festa e o aprendizado!

Se você também gosta de acompanhar a competição, conta pra gente qual a sua melhor lembrança da copa do mundo?

A coluna LiteralMente,mae! é publicada quinzenalmente aos domingos. As opiniões e fatos não refletem necessariamente a opinião de todas as mães, mas sim a vivência da colunista.

Quer trocar experiências comigo? Envie e-mail para gabriela@literalmenteuai.com.br

Deixe o seu comentário

comentários

Deixe seu comentário