Túnel

Túnel

 

Me encontro

Num lugar fechado

Sem saída

No escuro

Não tenho

Nenhuma percepção

Mal sinto o chão

Ando hesitante

Com ar ofegante

Com um aperto no peito…

Respiro profundamente

E me percebo correndo

Dominado pela exasperação

De alguém com medo

Da solidão e do escuro

Quero fugir

Antes que a loucura me alcance…

Encosto numa superfície sólida

Uma parede?

Um muro?

Penso nas possibilidades

Mas elas são tantas

Quanto às minhas perguntas

Penso de novo e de novo…

O tempo não mais existe

E talvez nem eu

Perco a noção

Da extensão do meu eu

A sensação de um corpo

Me é vaga

Mal me lembro

Se estou em pé ou não

Se é que ainda o tenho

O espaço e eu

Pouco a pouco

Nos tornamos o mesmo….

Uma luz se incendeia

Ao fim do túnel

Com medo

Do novo

Nos afastamos dali

Voltando a escuridão

Tudo se acalma

E não sentimos

Absolutamente nada

 

Gostou do que leu? se inspire! leia mais:

 

Caverna Interior

Tic… Tac da Vida

 

 

 

 

Se você além de gostar de poesia, também escreve, divulgue aqui.

Envie seu texto para contato@literalmenteuai.com.br

Deixe o seu comentário

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *