Mãos cruzadas(como em oração)

Súplica ao Divino

 

Num dia nublado

Minha mente vagou

Por um outro lugar…

Ao descobrir que

 

Minha mãe poderia

Nunca mais voltar

Recebi a notícia

Ao entardecer

 

Naquela noite

Não consegui adormecer

Lembro-me de um quarto

Com paredes brancas

 

Um ventilador

Que fazia

Um barulho irritante

E eu o olhava

 

Rodar…e…Rodar…

Enquanto ele

Machucava meus ouvidos

E meu psicológico

 

Um instante infinito

Uma noite horrenda

E interminável!

….

 

Então aconteceu

Fosse sonho

Ou não…

Eu estava ali

 

E agora já não mais

Eu comecei a ver

Areia, Dunas e o Sol

E tinha mais….

 

Havia…

Um homem ajoelhado

Na areia de mãos cruzadas

Olhando para o chão

 

Ele dizia palavras

O homem conversava

Mas, com quem?

Em prantos

 

Ele parecia suplicar

De forma ávida

Por sua causa

E tinha alguém

 

Em sua frente

Na mesma posição

Nesse momento

Abri os olhos

 

E pude me ver

Chorando

De joelhos ao chão

Em frente a meu pai

 

Suplicando um milagre

Que salvasse-à

Que não a deixasse ir

Que a mantivesse aqui

 

Um pedido egoísta

No fim do choro

Eu vi uma mão estendida

Em minha direção

 

Dizendo:

“Levanta-te”

“É hora de ir”

“Estou com você”;

 

Seja fruto

Da minha mente

Ou uma causa

Da loucura

 

Foi o momento

Mais real e intenso

De toda

Minha mera existência

 

Um momento singelo

Tão rápido e longo

Quanto possível

A súplica de um homem

 

Em prol

De um amor

Que é eterno

O amor de mãe

 

Leia devagar… sem pressa aproveite o que as palavras tem a dizer!Gostou dessa poesia? Se inspire! Leia mais:

 

Borboleta Não Alada

O Sonho

 

Se você além de gostar de poesia, também escreve, divulgue aqui.

Envie seu texto para contato@literalmenteuai.com.br

 

Deixe o seu comentário

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *