Todo ano, bem nessa época, muitos filhos ficam preocupados em comprar o presente para o Dia das Mães. É legal presentear alguém? Claro! Ainda mais a sua mãe. Mas será que durante o ano você se comportou bem? Parece meio piegas perguntar isso, mas é até bem natural.

Quando a nossa mãe está perto, muitos de nós não tem em mente a real importância dela. Muitas vezes nem imaginamos que nossa mãe um dia não estará aqui. Te adianto que isso também não é o fim do mundo, mas quer saber? É quase e vai acontecer. Afinal, essa é a lei da vida. Se você está preparado, ou não, é outra história…

Não sei qual é a sua relação com a sua mãe. Talvez não seja tão boa como foi a minha relação com minha mãe.  Sim, nem sempre as coisas são perfeitas, mas a gente também pode dar uma mãozinha nesse caso específico, né?! Bom, quero contar pra você uma coisa que me aconteceu no último ano de vida da minha mãe.

Minha mãe teve um câncer, que infelizmente evoluiu para uma metástase e o pior aconteceu. Eu sabia o que ia acontecer? Sim, eu sabia. Estava preparado para isso? Não, na verdade, nunca estive e saber o que vai acontecer não ajuda muito. Talvez seja algo até pior. Qualquer momento em que a doença avança você pensa: ‘Meu Deus, vai ser agora’. E, não é… Assim vai seguindo a vida até que o momento chega, e chega como uma bomba. E nessa hora não importa o que você já sabia.

Era um sábado, estávamos eu e minha mãe em casa

Nos últimos 8 meses de sua vida eu, desisti de muita coisa. Ficava quase que em tempo integral com ela, inclusive, dormindo junto. Nesse dia, estávamos deitados assistindo a estreia do programa que o Netinho de Paula tinha no SBT, o ‘Show da Gente’. Por acaso, era aniversário do Netinho e ele contava para alguém a sua história. Era aquele tipo de homenagem que fazem na TV.

Se você não sabe, o Netinho perdeu a mãe muito cedo. Ele estava em casa, pronto para ir para a escola e sua mãe passou mal e morreu em seus braços. Ele contou no programa, que por ser muito novo, apesar de triste, não percebeu no momento o que ia enfrentar sem ela. Segundo ele, a ficha caiu apenas em um aniversário, quando as mães de seus amigos correram para a mesa da festa, para garantir um pedaço de bolo para os seus filhos e ele percebeu que esse ‘simples ato’ não seria feito por ele.  Parece pouco, mas diz muito.

Se eu chorei nesse momento? Sim, chorei… E pensei em tudo que já sabia que ia acontecer e como seria a vida a partir desse momento. Foi impossível imaginar. Tentei, mas nem de longe acertei.  Mas tudo aconteceu conforme foi antecipado pela equipe médica e hoje estou aqui contando pra você a minha experiência. Lembra que lá no início te disse que não era o fim do mundo? Pois é, a gente tem que seguir. Na verdade, a gente começa de novo.  A dor da perda se transforma em saudade e a gente vai administrando esse sentimento. Às vezes não é fácil, mas como disse, a vida segue.

Não perdi a minha mãe tão novo como no caso do Netinho. Ele tinha 11 anos e eu tinha 24, na época. Mas assim como no caso que ele contou, a gente vive a mesma situação de formas diferentes. Eu, por exemplo, vejo amigos mostrando ou em memes na internet, as conversas engraçadas com suas mães pelo whatsapp e fico imaginando como seria com a minha. Vejo brincadeiras que rolam nessa época com o famoso ‘feliz dia’ em que as pessoas destacam coisas de mãe, como por exemplo, ‘na volta a gente compra’ e penso como seria viver isso.

O que quero lhe passar nesse momento é que se você tem essa oportunidade, viva. Mesmo que seja algo simples, como deitar no colo de sua mãe e ficar ali. Deite e fique. Que seja o antigo pedido de benção antes de dormir. Peça. Que seja contar aquele segredo. Conte. Ou que seja tomar aquela bronca. Aceite e ria depois de tudo isso.

Não importa dizer que ama e mostrar isso com presentes nessa época. Viva a sua mãe. Seja feliz com ela. Fiz isso e não me arrependo. Talvez esse seja o grande motivo de dizer tudo isso aqui de forma serena e de coração aberto.

Um Feliz Dia das Mães pra você que é mãe ou para a sua mãe. ❤

A coluna  Território Livre é publicada aqui toda quarta-feira. Converse com o colunista.  

Envie um e-mail para deni@literalmenteuai.com.br

Você pode também entrar em contato pelo twitter: @denicarlo

Deixe o seu comentário

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *